8 de Janeiro: Tribunais do Piauí terão que prestar informações ao CNJ

A medida vale para todos os tribunais e atende a um pedido da Corregedoria Nacional de Justiça
Hérlon Moraes Hérlon Moraes

Tribunais do Piauí deverão informar ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ), no prazo de 15 dias, a existência de procedimentos disciplinares ou investigações preliminares, em curso ou arquivados, sobre servidores das respectivas cortes como investigados nos atos do dia 8/1. A medida vale para tribunais de justiça, tribunais regionais federais, eleitorais e do trabalho, assim como suas respectivas corregedorias. A medida atende a um pedido da Corregedoria Nacional de Justiça, que determinou instauração de Pedido de Providências para apuração da responsabilidade disciplinar de servidores públicos do Judiciário, no âmbito das competências constitucionais e regimentais cabíveis da corregedoria.

Importante investigar

Em sua decisão, o corregedor nacional de Justiça, ministro Luis Felipe Salomão, argumentou que “os atos do dia 8/1 foram apenas o clima de uma prática discursiva disseminada nos meios de comunicação de massa, que tinha como alicerce uma deliberada desordem informacional voltada a gerar uma crise de confiança e deterioração das instituições republicanas”. Por isso, sustentou que “é importante investigar a participação de servidores ou membros do Poder Judiciário tanto nas lamentáveis depredações do dia 8/1 quanto nos períodos anteriores”.

Luis Felipe Salomão
Ministro Luis Felipe Salomão. Foto: Divulgação

Afago

De pires na mão, os prefeitos puderam respirar um pouco mais aliviados, após uma fala do presidente Lula nas redes sociais na noite desta terça-feira, dia 11. Ele garantiu aos gestores municipais que nenhuma prefeitura vai receber, em 2023, menos Fundo de Participação dos Municípios (FPM) do que o valor de 2022. “O governo federal mandou uma medida para que o Congresso Nacional garanta isso. É o prefeito que sente, na ponta, os problemas da população. Contem com nosso governo”, disse Lula.

Lula
Lula fala em encontro do G20. Foto: Ricardo Stuckert / PR

Segue na disputa

A ex-deputada estadual e presidente do PV no Piauí, Teresa Britto, disse ontem que seu nome segue na disputa para ser cabeça de chapa na federação com o PT e PC do B rumo ao Palácio da Cidade. Ela disse que o projeto do PV de ter candidato em Teresina faz parte de um arranjo nacional do partido e garantiu que a sigla está unida. “Muita água ainda vai rolar. Fábio teve menos votos do que eu. Vamos até a convenção”, garantiu.

Sangue no olho

Mesmo estando na federação, Teresa mostra que tem sangue no olho e nem sequer chega a falar o nome do PT quando questionada sobre a disputa para ser a pré-candidata. “O partido de lá está rachado (se referindo ao PT). Toda a sociedade viu como foi traumática a escolha deles lá”, afirmou, garantindo que a federação é uma mera formalidade. “O PV é um partido que tem o seu CNPJ, tem seu programa de governo e sua parte financeira separada da federação. Cada um tem a sua própria vida”, declarou.

Teresa Britto
Ex-deputada Teresa Britto. Foto: Divulgação
Share This Article

Mais Colunas

Últimas Notícias

Mais Lidas