Estádio é interditado após agressão a jornalista em jogo do Altos

Ananias Ribeiro Ananias Ribeiro

O presidente do Tribunal de Justiça Desportiva do Piauí (TJD – PI), Marcelo Leonardo Barros Pio, determinou a interdição do Estádio Felipe Raulino, o Felipão, após as agressões sofridas pela jornalista Emanuelle Madeira, do Globo Esporte, na partida entre Altos e Fluminense pelo Campeonato Piauiense.

Marcelo Leonardo também determinou que o acusado da agressão à jornalista, João Paulo dos Anjos Abreu, funcionário do Altos, fique proibido de adentrar, mesmo fazendo parte da organização, de evento esportivo realizado pela Federação de Futebol Piauiense (FFP).

Nos autos, através dos vídeos apresentados pela acusação, ficou claro a agressão contra a jornalista, tendo a mesma sido alvo, durante aquele momento, de ameaças e inclusive teve seu aparelho celular retirado à força por João Paulo.

“No presente caso, como foi constatado pelos vídeos apresentados, dois integrantes do time da Associação Atlética de Altos, que teriam a obrigação de zelar pela boa conduta, andamento e segurança do evento, agrediram e ameaçaram pessoas, tendo inclusive arrancado a força o celular de uma jornalista. Cabe aqui neste momento fazer uma pequena digressão sobre censura e que nos tempos de hoje não existe mais espaço para tal pratica”, destacou o presidente do TJD.

“Ao falar de censura devemos lembrar da influência do poder, ou seja, é preciso entender que, ao longo da história o poder é o responsável por ditar a censura. Os episódios de censura ocorrem em diferentes momentos da história e com diferentes grupos ideológicos no poder, geralmente típicos de grupos autoritários ou inquisitivos”, completou Marcelo Leonardo.

A decisão apont ainda que no caso estão presentes os requisitos que levam a tal medida, pois ficou apontado que no Estádio Felipão existe precariedade física e também referente a segurança em Altos.

“No presente caso estão presentes os requisitos autorizadores da medida excepcional, já que os fatos narrados e demonstrados pelas provas que arrimam a exordial são gravíssimos e suficientes para indiciar a precariedade da praça desportiva e da segurança a ela imposta para a realização de eventos desportivos. As cenas narradas na súmula, no relatório do delegado da partida e pelas notícias e vídeos veiculados pela imprensa estadual e nacional são absolutamente lamentáveis, e não deixam dúvidas acerca da necessidade de adotar providências eficientes para que se evite que se repita episódios dessa natureza”, acrescentou Marcelo Leonardo.

Compartilhar
Siga:
Jornalista e acadêmico de Direito. Editor do portal PI24h. Foi repórter do Portal AZ, 180 Graus e editor do Portal Meio Norte. Editor de política do Jornal Meio Norte. Apresentador e comentarista de política na Rede Meio Norte.

Últimas Notícias

Mais Lidas

Mais Notícias